Notícias da Igreja

“O papa pede para que a gente ajude o jovem a fazer um bom discernimento”

Publicada no sábado, 9, a Mensagem do papa Francisco para o Dia Mundial de Oração pelas Vocações, que ocorrerá no próximo dia 12 de maio, IV Domingo da Páscoa, discorre sobre “A coragem de arriscar pela promessa de Deus”. Nela, o papa recorda os dois grandes eventos, que se realizaram recentemente na Igreja: o Sínodo dedicado aos jovens, em outubro de 2018, e a 34ª Jornada Mundial da Juventude no Panamá.

No Dia Mundial de Oração pelas Vocações, Francisco reflete sobre o chamado do Senhor, que nos torna portadores de uma promessa e, ao mesmo tempo, nos pede coragem de arriscar com Ele e por Ele. Promessa e risco são dois aspetos que o papa propõe aos jovens ao contemplar o trecho evangélico da vocação dos primeiros discípulos às margens do Lago da Galileia.

Dois irmãos, Simão e André, junto com Tiago e João se ocupam da faina diária de pescadores. Nesta cansativa profissão, aprenderam as leis da natureza, desafiando-as quando os ventos eram contrários e as ondas agitavam os barcos. Em certos dias, a pesca abundante recompensava da árdua fadiga, mas, outras vezes, o trabalho de uma noite inteira de pesca não bastava para encher as redes e voltavam para casa, cansados e decepcionados.

Segundo o bispo auxiliar de São Paulo e referencial da Pastoral Vocacional, dom José Roberto Fortes Palau, o papa citou as experiências dos primeiros discípulos, pescadores, para mostrar que apesar de todas as contravenções eles decidiram acolher o chamado de Jesus e o seguir. “O papa pede nessa mensagem para que primeiro a gente ajude o jovem a fazer um bom discernimento vocacional, porque Jesus o encontra no ordinário da vida”, disse.

O bispo afirma que aqueles que são chamados à vida consagrada devem ter a coragem e audácia de deixar a todos e se colocar no seguimento de Cristo. “Isso exige coragem!”, aponta. Ele também chama atenção para o decréscimo no número de vocações, mas garante que é porque faltam pessoas para acompanhar e ajudar os jovens no discernimento.

Na mensagem, dom José Fortes Palau diz ainda que o papa quis demonstrar que a vocação não é um peso, e sim um chamado. “A vocação não é uma coisa imposta, mas a partir do momento que o jovem faz o discernimento e sente o chamado divino e se ele é bem acompanhado, ele pode depois dar uma resposta corajosa, audaciosa, e é exatamente por isso que a gente precisa trabalhar melhor as nossas comunidades”, garantiu o bispo.

No texto, o Santo Padre conclui a sua mensagem com um apelo aos jovens: “Não sejam surdos à chamada do Senhor! Se Ele os chamar, não se oponham, mas confiem nele. Não se deixem contagiar pelo medo, que nos paralisa, diante da proposta do Senhor. Lembrem-se sempre que o Senhor promete, aos que deixam tudo para segui-lo, a alegria de uma vida nova, que enche o coração e anima nosso caminho”.

Fonte:CNBB