Notícias da Igreja

Papa: ternura é derramar no mundo o amor recebido de Deus

O Papa disse que “a ternura é um existencial concreto bom para traduzir em nossos tempos o afeto que o Senhor sente por nós”.

O Papa recebeu em audiência, nesta quinta-feira (13/09), na Sala Clementina, no Vaticano, os participantes do congresso sobre a “Teologia da ternura no Papa Francisco”.

O encontro é promovido pelo Centro Familiar “Casa da Ternura”, criado em 2003, em Perugia, na Itália, por alguns casais leigos junto com Pe. Carlo Rocchetta. Tornou-se agora um lugar de acompanhamento para esposos em dificuldade. A conferência terá início, nesta sexta-feira (14/09), em Assis, e prosseguirá até o próximo domingo.

Ao falar da expressão teologia da ternura, o Santo Padre ressaltou que “teologia e ternura parecem duas palavras distantes: a primeira, recorda o âmbito acadêmico, e a segunda, as relações interpessoais. Na realidade, a nossa fé liga esses dois termos de forma indissolúvel.”

A teologia é chamada a comunicar a concretude do Deus amor

Segundo o Papa, “a teologia não pode ser abstrata, se fosse abstrata seria ideologia, pois nasce de um conhecimento existencial, nasce do encontro com o Verbo que se fez carne! A teologia é chamada a comunicar a concretude do Deus amor e a ternura é um existencial concreto bom para traduzir em nossos tempos o afeto que o Senhor sente por nós.”

Para Francisco, a teologia “não pode ignorar que em muitas partes do mundo a abordagem de questões vitais não começa mais com as questões últimas ou exigências sociais, mas com o que a pessoa sente emocionalmente. A teologia é chamada a acompanhar essa busca existencial, contribuindo com a luz que vem da Palavra de Deus”.

A ternura é confiar em Deus

Quais conteúdos poderia ter uma teologia da ternura? Segundo o Pontífice, os conteúdos são dois: “a beleza de sentir-se amado por Deus e a beleza de amar em nome de Deus”.  

“Sentir-se amado é uma mensagem que recebemos muitas vezes nos últimos tempos: do Sagrado Coração, de Jesus misericordioso, da misericórdia como propriedade essencial da Trindade e da vida cristã. A ternura indica o nosso modo de acolher hoje a misericórdia divina. Ela nos revela, junto ao rosto paterno, o rosto materno de Deus, de um Deus apaixonado pelo ser humano, que nos ama com um amor que é infinitamente maior do que o amor de uma mãe pelo seu filho.”

Segundo o Papa, a ternura é uma palavra benéfica, é o antídoto contra o medo de Deus, pois no amor não há medo e a confiança vence o medo. Sentir-se amado significa aprender a confiar em Deus e a dizer-lhe: “Jesus, confio em você”.

A Cruz é o sigilo da ternura divina 

“Essas e outras reflexões podem aprofundar a busca a fim de dar à Igreja uma teologia ‘saborosa’, nos ajudar a viver uma fé consciente, cheia de amor e esperança, e a dobrar os joelhos, tocados e feridos pelo amor divino. Nesse sentido, a ternura se refere à paixão. A Cruz é o sigilo da ternura divina que se busca nas chagas do Senhor. A sua paixão nos convida a transformar o nosso coração de pedra num coração de carne, a apaixonarmo-nos por Deus.”

A propósito da beleza de amar em nome de Deus, Francisco ressaltou que “quando uma pessoa se sente realmente amada, é levada também a amar”.

O ser humano também é capaz de ternura

“Se Deus é ternura infinita, o ser humano, criado à sua imagem, é também capaz de ternura. A ternura é o primeiro passo para superar o fechamento de si mesmo e sair do egocentrismo que deturpa a liberdade humana. A ternura de Deus nos leva a entender que o amor é o sentido da vida.”

Segundo o Papa, “somos chamados a derramar no mundo o amor recebido do Senhor”, vivê-lo na Igreja, na família e na sociedade.

Teologia voltada para o serviço da comunidade

“Essas breves pistas apontam para uma teologia a caminho, uma teologia que sai da constrição na qual às vezes é confinada e com dinamismo se volta para Deus, tomando o ser humano pela mão. Uma teologia não narcisista, mas voltada para o serviço da comunidade. Uma teologia que não se contenta em repetir os paradigmas do passado, mas seja a Palavra encarnada.”

“Certamente a Palavra de Deus não muda, mas a carne que é chamada a assumir, essa sim, muda em todas as épocas. Há muito trabalho, portanto, para a teologia e sua missão hoje: encarnar a Palavra de Deus para a Igreja e para o homem do terceiro milênio”, concluiu Francisco.

Fonte: Vatican News

EVENTOS

DomSegTerQuaQuiSexSab
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹nov 2018› »