Seja bem-vindo(a) ao Site Oficial do Santuário São Geraldo Majela         -         Itabira, Minas Gerais - 17 de junho de 2021         -         Acesse nossas redes socais

Itabira, 17 de junho de 2021

Carta da Segunda Pré-Romaria virtual em preparação à 5ª Romaria das Águas e da Terra da bacia do Rio Doce

09/06/2021 . Notícias da Igreja

Nós, membros da Comissão do Meio Ambiente da Província Eclesiástica de Mariana e do Fórum Permanente em defesa da Bacia do Rio Doce, reunidos em Abre Campo-MG, no dia 04 de junho de 2021, véspera do dia dedicado, mundialmente, ao meio ambiente, celebramos, como 2ª Pré-Romaria virtual, a nossa caminhada rumo à 5ª Romaria das Águas e da Terra da Bacia do Rio Doce, agendada para a cidade de Conceição do Mato Dentro-MG, na Diocese de Guanhães, depois da pandemia que assola o mundo e nosso Brasil.

Manifestamos nossa solidariedade aos milhares de mortos, em todo o Brasil, vítimas da pandemia da covid-19 e às suas famílias enlutadas. Entre essas vítimas, contamos, tristemente, Pe. Nelito Dornelas e Hélio Martins, companheiros da luta direta em prol da regeneração da Bacia do Rio Doce. Com nossa solidariedade, apresentamos também a indignação diante da omissão, despreparo e “negacionismos” de pessoas e setores governamentais, no combate a essa pandemia, e a falta e atraso de vacinas para todos.

Denunciamos, nesse momento, em relação à Bacia do Rio Doce:
A modalidade em curso proposta para a indenização dos atingidos/as, causadora, entre outras, de divisões internas entre atingidos/as e que, em seus acordos, impõe a quitação total sem considerar, no andamento do processo, mais direitos dos atingidos/as; o fechamento do cadastro; o corte imediato do auxílio financeiro emergencial (afe); o protagonismo dos advogados em detrimento aos atingidos/as, além de não contemplar todos os atingidos/as.

A proposta de “repactuação”, iniciativa dos governos de Minas Gerais e do Espírito Santo, com o aval do poder judiciário, por não ouvir os que diretamente são vítimas, os atingidos/as e por desonerar, em suas responsabilidades, as empresas frente ao crime socioambiental da Samarco, da Vale e da BHP Billinton, em toda a extensão da Bacia do Rio Doce.

A ineficiência da Renova, instituição constituída pelas empresas responsáveis do rompimento da Barragem do Fundão, em Bento Rodrigues, município de Mariana-MG. Passados quase 6 anos desse crime, o que vemos, em relação à Renova, é sua pouca efetividade e transparência na gestão dos recursos, com gastos enormes voltados para a sua estrutura interna, sem atender às demandas e fins para as quais foi criada.

O risco da “prescrição” em relação aos atingidos/as, em data proposta para 02 de outubro de 2021, exigindo deles que entrem com um processo de judicialização, sob pena de perda de reconhecimento e de direitos.
O desgaste vivido por lideranças e atingidos/as diante da atividade mineradora, considerada essencial e em plena atividade, enquanto as ações voltadas para os atingidos/as padecem de grande morosidade, justificadas pelos riscos com a pandemia.

A aquisição forçada, por parte das empresas, de territórios em torno de suas barragens, algumas em descomissionamento, fazendo a desocupação e transferências de famílias, sem ouvir os interessados e garantir direitos.

Em nossa avaliação, reconhecendo conquistas e a importância de parcerias como dos movimentos sociais, das pastorais sociais, das entidades de defesa do meio ambiente, da Rede Igreja e Mineração e das assessorias técnicas independentes para os atingidos/as, vemos, para esse momento, a necessidade:

De melhor usar de meios de comunicação social afins, sobretudo das redes sociais, para atingir um número maior de pessoas e mostrar, com veracidade, o que está realmente acontecendo em toda a extensão da Bacia do Rio Doce.
De rearticular as forças vivas da luta e mobilização pela regeneração de nossa Bacia hidrográfica, fortalecendo as iniciativas em curso em defesa dos atingidos/as e de toda a sua população.

De traçar um planejamento estratégico para atender às demandas do momento presente em relação à Bacia do Rio Doce.
Renovamos nosso compromisso com os atingidos/as, nesse momento crucial, reafirmando nossas lutas por vida, justiça e defesa de direitos. Saudamos, nessa ocasião, a criação do Instituto Padre Nelito Nonato Dornelas (IPANE) que há de perpetuar sua memória e revitalizar esforços em prol de iniciativas em bem das populações em toda a extensão da Bacia do Rio Doce.

Pedimos as bênçãos de Deus e a proteção de Santa Ana, Padroeira de Abre Campo, para seguirmos avante em nossa missão, à luz da fé e da cidadania, de trabalhar, em toda a extensão da Bacia do Rio Doce, em prol da sociedade do bem viver e do conviver que expresse o desejo de Deus de vida de verdade, de plenitude e de abundância para todos.

Abre Campo, 04 de junho de 2021

Comissão do Meio Ambiente da Província Eclesiástica de Mariana
Fórum Permanente em defesa da Bacia do Rio Doce
Caritas Regional – CNBBLeste2