Seja bem-vindo(a) ao Site Oficial do Santuário São Geraldo Majela         -         Itabira, Minas Gerais - 21 de janeiro de 2022         -         Acesse nossas redes socais

Itabira, 21 de janeiro de 2022

JMJ 2023: “não podemos parar”, símbolos peregrinam no Alentejo

21/12/2021 . Notícias da Igreja

Jovens da diocese de Beja continuam a sua peregrinação com a cruz e o ícone da Jornada Mundial da Juventude. Desta vez damos nota da passagem pelo arciprestado de Santiago do Cacém.

Rui Saraiva – Portugal

Continua a peregrinação dos símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) na diocese de Beja. Um tempo de oração e encontro com a cruz peregrina e o ícone mariano que temos vindo a acompanhar aqui na Rádio Vaticano e no Vatican News, dando voz às dioceses de Portugal na preparação da JMJ Lisboa 2023.

Ouça e compartilhe:


A quem posso ajudar?

E neste domingo, 19 de dezembro, na oração do Angelus na Praça de S. Pedro, o Papa recordou o lema do grande encontro de jovens de Lisboa de agosto 2023: “Maria levantou-se e partiu apressadamente”.

Francisco referiu-se à passagem do Evangelho que a liturgia propôs no IV Domingo do Advento e na qual se recorda a visita de Maria a sua prima Isabel. A esse propósito, o Santo Padre sublinhou a atitude da mãe de Jesus.

“Diz o texto que Nossa Senhora levantou-se e partiu apressadamente” – lembrou o Papa.

“Neste último pedaço de caminho do Advento deixemo-nos guiar por estes dois verbos: “levantar-se e caminhar com pressa” – disse Francisco.

O Santo Padre convidou os fiéis a fazerem como Maria: procurar alguém que precisa da nossa ajuda.

“Façamos como Maria: olhemos à nossa volta e procuremos alguém a quem possamos ajudar. Conheço algum idoso a quem possa dar alguma ajuda, fazer companhia? Que cada um pense nisso. Um serviço a alguém, uma gentileza, um telefonema? A quem posso ajudar?” – refletiu o Papa.

Precisamente, a peregrinação dos símbolos da JMJ tem sido uma grande ajuda para muitas pessoas que têm contactado com a atividade dos jovens. Primeiro no Algarve e agora em Beja, a cruz e o ícone mariano estão a abrir portas de relação com Jesus Cristo.

Experiência extraordinária ao encontro das pessoas

Neste Tempo de Advento, chega-nos mais uma crónica da diocese de Beja. Desta vez, do arciprestado de Santiago do Cacém. O texto é do padre José Valente Bravo e a narração é da Joana Santos.

“Os símbolos da JMJ continuam a percorrer o Alentejo… Desta vez a sua presença fez-se sentir no arciprestado de Santiago do Cacém. Percorremos Sines, Porto Covo, Santo André, Santiago do Cacém, Grândola, Melides, Carvalhal, Alvalade e Ermidas.

É de facto uma experiência extraordinária levar estes Símbolos ao encontro das pessoas. Acreditamos que Jesus, o Cristo, e Sua Mãe, Maria, passam de forma especial por estas terras que recebem estes símbolos. Acreditamos que não só passam, como permanecem no coração daqueles que olham para os símbolos, lhes tocam, que rezam perto deles, que se deixam tocar pelo Senhor.

Estes símbolos trazem consigo tantas experiências de vida, tantas alegrias, dores, esperanças, que é impossível ficarmos indiferentes à sua presença.

Houve várias iniciativas lideradas pelos jovens que não ficaram na assistência, mas foram protagonistas, deram do seu tempo, doaram-se para que outros pudessem sentir o Amor de Deus entregue na Cruz e o Amor de Maria que não se cansa de nos dizer: ‘fazei tudo o que Ele vos disser’.

Os Símbolos percorreram as ruas destas terras, revelando que há gente de Fé e sem medo de a demonstrar publicamente, há jovens cheios de Vida que desejam um mundo melhor onde reine o Amor.

Visitámos instituições revelando que Jesus ama a todos com um Amor especial e que a todos quer salvar. Cantámos com a voz e com o corpo, manifestando que há um Deus e Pai de todos. Ouvimos instrumentos que nos fizeram tocar o céu. Vimos os dons de cada pessoa a serem colocados ao serviço do outro.

A passagem destes Símbolos, tem desinstalado pessoas, tem feito gente sair de si e ir ao encontro dos outros. Temos visto sorrisos, lágrimas, rostos, … que nos revelam Deus a manifestar-se no coração de tantas pessoas.

A Cruz e o ícone têm estado a unir raças, cores, culturas e várias pessoas com formas diferentes de pensar. E Deus a todos ama! Desta forma vamos acreditando e vendo uma nova civilização do Amor a surgir. Um futuro mais promissor, onde todos dão as mãos, sem exceção de pessoas. Um futuro em que o outro deixa de ser um desconhecido e é meu irmão.

Tivemos momentos de Oração em que a luz se acendeu e mergulhámos no mais profundo do nosso ser para nos encontrarmos connosco e com o Senhor. Momentos de paragem diante da Cruz, diante de Jesus, diante de Maria, enfim, diante do Amor! Olhámos mais Além…

De forma tão simples e tão bela, vimos crianças, adolescentes, adultos, idosos, acolherem com surpresa estes símbolos, e receberem a Vida que brota do Coração de Deus. Vem Senhor Jesus! Vem connosco, pois não te queremos calar. Cristo, Tu contas connosco e nós contamos com a Tua Graça!

Este caminho continua… não podemos parar… ‘Iremos apressadamente, sem distração nem demora, antes com prontidão e alegria. Iremos serenamente, pois quem leva Cristo leva a paz, e o bem-fazer é o melhor bem-estar’.”

Os símbolos da JMJ estão a proporcionar momentos únicos de oração e celebração nas comunidades em Portugal.

No seu encontro com os jovens em Atenas neste mês de dezembro, Francisco disse-lhes que cada um deles não vale pela marca da roupa ou dos sapatos, mas porque é único e única: “Não vales pela marca da roupa ou pelos sapatos que usas, mas porque és único, és única” – disse o Papa.

Laudetur Iesus Christus
Fonte: Vatican News